Este site utiliza cookies. · O que são cookies? Aceito

Sobre a incontinência

Incontinência pode referir-se a incontinência urinária ou a incontinência fecal. A causa da incontinência urinária pode diferir, consoante o fato de a pessoa afetada ser do sexo masculino, feminino, ser idosa ou uma criança.

O que é a incontinência?

A incontinência urinária consiste numa perda involuntária de urina. O volume da perda involuntária de urina varia nas pessoas que sofrem de incontinência. Em cada caso, é possível um diagnóstico mais aprofundado da incontinência urinária com base em fatores relevantes, tal como o tipo de incontinência, a frequência e a gravidade. A incontinência fecal, também designada incontinência do intestino, é uma patologia que consiste na perda involuntária de fezes sólidas ou moles.

Tipos diferentes de incontinência urinária

A incontinência urinária de esforço consiste numa perda involuntária de urina devido a um aumento da pressão. Esta pressão pode ter origem em um esforço físico ou em acções como tossir, espirrar ou rir. A incontinência urinária de esforço normalmente envolve apenas pequenas quantidades de urina, embora este factor dependa da quantidade de urina existente na bexiga e do nível de pressão no momento em que ocorre a pressão abdominal.

A incontinência urinária de esforço está geralmente associada à fraqueza muscular do pavimento pélvico. Isto significa que o importante suporte que envolve a uretra e a bexiga não está a funcionar como devia, dando origem a perda de urina sempre que ocorre um aumento de pressão.

Esta é a forma mais comum de incontinência urinária nas mulheres, para a qual existem várias razões. As mulheres têm uma uretra mais pequena e um pavimento pélvico mais frágil do que os homens. A gravidez e o parto também constituem fatores de risco, além da questão hereditária. As estruturas de apoio à uretra, os músculos e o tecido conjuntivo degeneram-se com o passar dos anos, o que resulta num enfraquecimento da bexiga.

Existem fatores que podem piorar esta patologia, uma vez que podem causar um aumento da pressão abdominal. A prisão de ventre, obesidade e tosse crónica nos casos de asma ou a DPOC (Doença pulmonar obstrutiva crónica) são outros exemplos de fatores que causam este tipo de pressão abdominal.

Nos homens, a cirurgia à próstata pode ser uma das causas de incontinência urinária de esforço. O treino dos músculos do pavimento pélvico pode prevenir e muitas vezes curar a incontinência urinária de esforço.

Incontinência urinária de urgência

A incontinência urinária de urgência consiste na perda involuntária de urina acompanhada ou imediatamente antecedida de uma vontade súbita de urinar e difícil de conter. Esta necessidade súbita pode surgir de uma forma muito repentina. A incontinência urinária de urgência apresenta várias formas e níveis de sintomas. Por exemplo, pode dar origem a pequenas e frequentes perdas de urina, como micção ou o esvaziar completo da bexiga.

É possível que as pessoas verifiquem que a frequência com que urinam aumenta e que precisam de urinar mais frequentemente do que o habitual - 4 a 8 vezes por dia. Esta situação pode também ocorrer uma ou mais vezes por noite, também designada de noctúria. Em certos casos o treino da bexiga pode ajudar a urinar com menos frequência. O treino da bexiga pode também ajudar a evitar a micção à noite.

A incontinência urinária de urgência pode ser causada por diferentes motivos. Por exemplo, pode ocorrer se existir uma obstrução na saída da bexiga, tal como um aumento da próstata ou prisão de ventre. Uma infeção urinária ou simplesmente beber água em excesso constituem outros exemplos. É importante obter um diagnóstico adequado, independentemente do tipo de incontinência urinária de que sofre, para poder receber o tratamento adequado.

Incontinência urinária mista

A incontinência urinária mista consiste na combinação da incontinência urinária de esforço com a incontinência urinária de urgência. Apresenta os mesmos sintomas de perdas de urina, associadas simultaneamente à urgência e à pressão exercida quando espirra ou tosse, por exemplo.

Incontinência urinária por extravasamento

A incontinência urinária por extravasamento ocorre quando a bexiga não consegue esvaziar-se por completo e gradualmente fica cheia de urina residual. Isto acontece principalmente nos casos de aumento da próstata que conduzem à obstrução da saída da bexiga. A obstrução impede a bexiga de se esvaziar totalmente e dá origem a retenção urinária. A urina acumulada provoca a dilatação da bexiga e o mecanismo de defesa não consegue resistir à pressão, dando origem a perdas de urina.

Outra causa comum consiste no estiramento e na fraqueza excessiva do músculo da bexiga. Isto, por sua vez, pode ser causado por fatores como neuropatia diabética sensorial, hérnias discais ou estenose espinal.

Os sintomas comuns da incontinência urinária por extravasamento consistem na perda de gotas de urina, numa bexiga hiperativa e numa bexiga com pouca elasticidade. É possível que nem sempre ocorra dor, mas o volume de urina retido pode ser consideravelmente superior à capacidade normal da bexiga, que corresponde a 300-600 ml.

Os factores de risco incluem determinados tipos de medicação, hiperplasia prostática benigna, proplapso e lesões nos nervos.

Problemas urinários neurológicos

Vários músculos e nervos trabalham em conjunto para permitir a continência urinária e um controlo efetivo do esvaziamento da bexiga. As lesões cerebrais, na medula espinhal ou nos nervos, decorrentes de trauma ou de uma doença, podem afetar a comunicação entre o cérebro e a bexiga. Qualquer uma destas situações podem resultar numa incapacidade de controlar a bexiga e, por conseguinte, de a esvaziar completamente. A incontinência urinária pode, portanto, surgir em resultado de doenças como um AVC (Acidente Vascular Cerebral), demência e esclerose múltipla ou Doença de Parkinson.

Pingos após a micção

Os pingos após a micção são a perda involuntária de urina imediatamente após termos urinado, normalmente depois de abandonar os lavabos, no caso dos homens, ou depois de se erguer da sanita, no caso das mulheres. Isto ocorre quando ainda existe um vestígio de urina na uretra após a micção. O problema ocorre mais vulgarmente nos homens, mas também pode afetar as mulheres que apresentam um apoio muscular frágil na uretra.

Incontinência urinária funcional

Consiste na incapacidade de chegar à casa de banho a tempo, por exemplo, devido a questões de dificuldade de locomoção, obstáculos no caminho, estado cognitivo comprometido, etc. Alguns fatores que podem dificultar o acesso à casa de banho a tempo podem ser uma mobilidade reduzida, dificuldade de visão, não compreender como chegar à casa de banho ou não ser capaz de tirar a roupa suficientemente depressa antes de urinar. É importante adotar uma abordagem pessoal e tambén global face às soluções de continência. Isto significa pensar em todos os fatores que podem contribuir, independentemente de estarem, ou não, relacionados com a pessoa ou o seu ambiente.